Música da alma e rostos femininos nas pinturas de pier toffoletti no centrum sete sóis / cac de ponte de sor

News

Na segunda-feira 8 de março no Centrum Sete Sóis Sete Luas/CAC de Ponte de Sor, será inaugurada a exposição “La bellezza Resistente” do pintor italiano Pier Toffoletti com uma performance que será difundida online na página do facebook do Festival Sete Sóis Sete Luas e do Município de Ponte de Sor. O projeto é promovido pela Associação Sete Sóis Sete Luas com o apoio do Município de Ponte de Sor.

Pier Toffoletti (nascido em 1957 em Údine no norte da Itália) apresenta La bellezza resistente, uma exposição que nos conduz a uma viagem profunda e poética pela arte, que tenta trazer luz onde emerge a escuridão e trazer emoção onde emerge a dor. Os rostos das mulheres são uma tentativa moderna de se opor ao calafrio dos sentimentos de uma época marcada pela dor e pelo isolamento e, agora, dramaticamente, marcada pela atual pandemia. Para a artista, encontrar nos personagens desenhados, nos olhos dos rostos femininos, uma luz e um olhar que se abre para o futuro, é a forma de resistir à confusão da época presente, à maneira apressada de viver a vida. Na exposição, a artista apresenta um ciclo de pinturas Face Splash, realizado entre 2018 e 2020, em diferentes formatos, onde uma série de rostos femininos questiona o nosso futuro, através de esmaltes e inserções de materiais. É uma partitura geral composta por variações sutis, diferentes melodias e novos acordes cromáticos, com referências evidentes a um ritmo musical interno. O artista declara: “É minha escolha poética aprofundar um tema, dedicando-lhe uma série de obras que têm elementos comuns e elementos de diversidade. Cada uma das minhas pinturas tenta criar um diálogo com o espectador e produzir sentimentos diferentes dependendo de quem olha para a obra. Dar um título preciso a uma das minhas obras significa limitar o potencial da pintura e não deixar liberdade de interpretação para quem olha pela primeira vez para a obra; cada pintura é uma obra aberta que se cria em relação ao olhar do espetador ”. É uma partitura que se constrói através de variações subtis, de diferentes melodias e novos acordes cromáticos, com sugestões evidentes a um ritmo musical interior. De entre todas, destaca-se a grande pintura da fadista portuguesa Amália Rodrigues (1920-1999). Uma voz que se torna símbolo de uma nação, uma imagem que se transforma na eterna voz do Fado que corre pelas ruas de Lisboa.

Gallery:

Subscribe

* indicates required
/ ( mm / dd )

Please select all the ways you would like to hear from festivalsssl:

You can unsubscribe at any time by clicking the link in the footer of our emails. For information about our privacy practices, please visit our website.

We use Mailchimp as our marketing platform. By clicking below to subscribe, you acknowledge that your information will be transferred to Mailchimp for processing. Learn more about Mailchimp's privacy practices here.