Música da alma e rostos femininos nas pinturas de pier toffoletti no centrum sete sóis / cac de ponte de sor

Música da alma e rostos femininos nas pinturas  de pier toffoletti no centrum sete sóis / cac de ponte de sor

Na segunda-feira 8 de março no Centrum Sete Sóis Sete Luas/CAC de Ponte de Sor, será inaugurada a exposição “La bellezza Resistente” do pintor italiano Pier Toffoletti com uma performance que será difundida online na página do facebook do Festival Sete Sóis Sete Luas e do Município de Ponte de Sor. O projeto é promovido pela Associação Sete Sóis Sete Luas com o apoio do Município de Ponte de Sor.

Pier Toffoletti (nascido em 1957 em Údine no norte da Itália) apresenta La bellezza resistente, uma exposição que nos conduz a uma viagem profunda e poética pela arte, que tenta trazer luz onde emerge a escuridão e trazer emoção onde emerge a dor. Os rostos das mulheres são uma tentativa moderna de se opor ao calafrio dos sentimentos de uma época marcada pela dor e pelo isolamento e, agora, dramaticamente, marcada pela atual pandemia. Para a artista, encontrar nos personagens desenhados, nos olhos dos rostos femininos, uma luz e um olhar que se abre para o futuro, é a forma de resistir à confusão da época presente, à maneira apressada de viver a vida. Na exposição, a artista apresenta um ciclo de pinturas Face Splash, realizado entre 2018 e 2020, em diferentes formatos, onde uma série de rostos femininos questiona o nosso futuro, através de esmaltes e inserções de materiais. É uma partitura geral composta por variações sutis, diferentes melodias e novos acordes cromáticos, com referências evidentes a um ritmo musical interno. O artista declara: “É minha escolha poética aprofundar um tema, dedicando-lhe uma série de obras que têm elementos comuns e elementos de diversidade. Cada uma das minhas pinturas tenta criar um diálogo com o espectador e produzir sentimentos diferentes dependendo de quem olha para a obra. Dar um título preciso a uma das minhas obras significa limitar o potencial da pintura e não deixar liberdade de interpretação para quem olha pela primeira vez para a obra; cada pintura é uma obra aberta que se cria em relação ao olhar do espetador ”. É uma partitura que se constrói através de variações subtis, de diferentes melodias e novos acordes cromáticos, com sugestões evidentes a um ritmo musical interior. De entre todas, destaca-se a grande pintura da fadista portuguesa Amália Rodrigues (1920-1999). Uma voz que se torna símbolo de uma nação, uma imagem que se transforma na eterna voz do Fado que corre pelas ruas de Lisboa.



Gallery: